Principal / Geral / Agricultores pedem estrutura melhor e incentivo à produção
GERAL - Feira do Produtor 02

Agricultores pedem estrutura melhor e incentivo à produção

Há quatro anos, aos sábados, em um lado da rua Vereador Praia, na quadra entre as ruas Osvaldo Aranha e Sete de Setembro, no Centro, produtores de Taquari reúnem-se para vender. Em meio ao movimento do trânsito, cinco feirantes utilizam um lado da calçada para comercializar o que colheram ou prepararam durante a semana.

Irailda Ochoa Carioli, 78 anos, é cliente da feira e diz que vai sempre que vê o movimento no local. “Acho tudo mais natural, venho quando vejo que estão aqui”, comenta. Ela considera a localização boa, mas lamenta a queda no número de feirantes. “O ponto é bom”, diz.
Desde maio de 2015, os produtores locais utilizam o espaço em parte da rua, disponibilizado pela prefeitura como uma melhor alternativa – antes foi realizada nas barracas de madeira da frente da Estação Rodoviária e na Praça da Bandeira – para incentivar e escoar a produção. Naquele ano, foram 29 comerciantes que levaram alface, feijão, batata, bergamota, milho verde, vagem, abóbora, couve, laranja, além de artesanato e produtos processados, como compotas, melado, rapaduras, ocupando os dois lados da rua, fechada para o trânsito para receber os feirantes e os clientes.
No último sábado, 11 de maio de 2019, o cenário era bem diferente. Entre o fluxo de veículos estavam os feirantes, dois deles sob os gazebos (barracas) disponibilizados pela prefeitura. Os outros, que começaram depois, não possuem o equipamento que protege um pouco da chuva, e utilizam o reboque do carro como balcão de venda.
O representante dos feirantes, Alex Sandro Faleiro, morador da Fazenda Pereira, comercializa há três anos e diz que a queda ocorreu pela falta de público. “Temos produtos de qualidade. Temos uma parceria com a Emater na questão de produção com baixa toxidade, mas infelizmente, não temos mercado e freguesia, o que fez muitos feirantes desistirem”, explica o produtor.
No entanto, ele diz que há o que comemorar no aniversário da feira do produtor, especialmente no lado social. “A gente cria amizades com pessoas que não vamos na casa delas mas levamos para a vida da gente. Cerca de 70% da freguesia é a mesma. Conversamos, sei da vida deles e eles da minha”. Ele também comemora o reconhecimento dos clientes. “Tem pessoas que reconhecem o nosso esforço e o nosso trabalho e dizem para não desistir”.
As feirantes Vilma da Silva Schossler, 80 anos, e a filha Nilma Shosller, 49 anos, comercializam na feira há mais de 10 anos, quando era localizada em frente à estação rodoviária. Nilma diz que economicamente a feira já foi melhor, mas que socialmente é muito importante. “A gente vê os clientes que vêm só para tomar um chimarrão, conversar, fizemos muitas amizades e acho isso muito importante para a minha mãe. Ela tem o prazer de fazer as coisas dela e nunca tivemos reclamação de um doce, sempre elogios. Na parte social a feira é excelente”, diz Nilma.
Ela conta que a mãe, Vilma, não conseguiu se aposentar e os doces de frutas e os biscoitos comercializados são produzidos por ela. “Adoro fazer. Vejo uma receita, faço para eu experimentar e se dá certo faço para a feira”, comenta Vilma.

Vale-feira aos servidores municipais para incentivar a venda

O presidente da feira, Alex, diz que a clientela da feira é 70% a mesma e, para aumentar a demanda, ele sugere que o município implante o vale-feira do produtor. A medida serviria de incentivo aos funcionários públicos municipais para comprarem produtos dos agricultores locais. Alex afirma que esta medida foi adotada em Venâncio Aires e Bom Retiro do Sul, quando enfrentaram problemas com a falta de clientes nas feiras de produtores de seus municípios. “Os vales-feira seriam uma excelente oportunidade de fortalecer a agricultura do município. Além disso, seriam beneficiados todos os funcionários públicos municipais que receberiam estes vales de forma gratuita. Este dinheiro não iria para o bolso dos agricultores e sim iria movimentar ainda mais a economia do município gerando mais dividendos para o próprio”, explica.

A falta de estrutura e sanitário

A feira funciona em um lado da quadra da rua Vereador Praia debaixo de algumas árvores. Em 2015, o Município doou gazebos para proteção do sol forte e da chuva. Mas por ser um material frágil, poucos resistiram à ação do tempo. Hoje, os poucos feirantes precisam contar com sorte de não chover para fazer a venda. Para comercializar no sábado pela manhã, os produtos são colhidos e preparados no dia anterior. “Quando chove, a gente não sabe o que fazer. Na semana passada, tava chovendo, arrisquei e vim. Eu tinha uma caixa de repolho, couve-flor, beterraba, rabanete, cheguei e abriu sol. Mas poderia ter chegado aqui e não ter vendido nada, perdido a viagem e nem tirado para a gasolina, chegado em casa e dado tudo para os porcos e as galinhas porque não vence comer tudo”, conta Alex.
A feirante Nilma diz que, nos dias de chuva, os feirantes passam a manhã na água que empoça na calçada. “Alaga tudo e ficamos a manhã inteira com o pés dentro d’água”.
Os vendedores precisam de um banheiro e de uma estrutura fixa para garantir a realização da feira todos os finais de semana.

A falta de uma produção constante

Um dos pontos que pode afastar os clientes da feira é a falta de uma produção constante, inclusive no verão, quando há pouca chuva. Alex conta que, para ter produtos durante todo o ano, implantou um sistema de irrigação, através de financiamento do Programa Nacional da Agricultura Familiar (Pronaf), com o auxílio da Emater na elaboração do projeto. Ele investiu R$ 15 mil para a bomba, sem a construção de dois açudes, e pagará R$ 600 por ano, durante seis anos. Mas Alex salienta que é difícil investir sem visão de retorno e destaca a falta de incentivo do poder público, pois contratou uma empresa para fazer os açudes. “O Município não tinha uma máquina para auxiliar o agricultor. Eu poderia pagar o óleo, o deslocamento, o dia do maquinista, que não daria a metade de uma máquina particular”. Além disso, ele afirma que a prefeitura não disponibiliza um caminhão para o frete de insumos, como o calcário.
Outro ponto debatido pelos agricultores é o das exigências sanitárias para o processamento dos produtos. Desde que a feira iniciou, alguns alimentos, como o queijo e a ambrosia – por conterem ingredientes de origem animal, como o leite e o ovo – não podem mais ser vendidos devido à necessidade de procedência certificada pelo órgão público. É preciso ter uma agroindústria regularizada para realizar a venda, porém os comerciantes justificam que não possuem demanda na feira nem capital para fazer o investimento.

Sem contraponto da prefeitura

O jornal O Fato solicitou uma entrevista com o coordenador da secretaria Municipal da Agricultura, Régis Eli Amaral dos Santos, para abordar as questões levantadas pelo agricultor. A assessoria de imprensa marcou a entrevista para a tarde da quarta-feira, mas foi cancelada depois pelo coordenador, que não a remarcou para esta semana.
Ainda, quanto à estrutura física, a prefeitura possui um projeto de construção de uma área fixa para os produtores, que está sob análise da Caixa Econômica Federal, a ser realizada com emenda do senador Paulo Paim (PT) no valor de R$ 250 mil.

Além disso, verifique

GERAL - MISTURA ON-LINE

Programa Mistura Fina On-Line – 16/05/2019

Abertura do programa Mistura Fina On-Line de 17 de maio Entrevista Cássio Reis sobre eleição ...

xu hướng thời trangPhunuso.vnshop giày nữgiày lười nữgiày thể thao nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcmphụ kiện thời trang giá rẻ